Ir para o conteúdo

Igreja do Salvador do Mundo

Bom exemplar do Maneirismo, tem evidentes semelhanças com as igrejas de Santa Maria de Estremoz, Santo Antão de Évora ou Nossa Senhora da Lagoa de Monsaraz. Apenas o campanário e a empena exterior são de estilo rococó, da segunda metade do século XVIII. O interior mostra uma grande variedade estilística, fruto da sua antiguidade: alguns elementos medievais e tardomedievais (uma inscrição de 1322, o Altar de São Brás, do século XV, ou a Capela de São João Baptista, no subcoro, com o seu tecto de abóbada nervurada), maneiristas (todo o seu volume exterior e toda a sua estrutura base interior), barrocos, rococó e neoclássicos (principalmente em vários altares reformados).

Em relação à sua fundação, a primeira referência à sua existência remonta a 1269, com o nome de Santa Maria Madalena e pertencente ao Bispado de Évora. Outro documento mais tardio, de 1368, indica que a sua propriedade já seria da Ordem de Avis. Em 1534 passa a denominar-se Salvador do Mundo, nome que hoje ainda mantém. Em 1559 é autorizada a construção de uma nova igreja, aquela que hoje existe, obras que só se finalizaram em 1595.

Horário: Solicitar chave na Florista Bizé, na rua das Paias