Sábado há Mercado Tradicional em Estremoz

 

No próximo dia 2 de maio o Mercado Tradicional volta a acontecer, no Parque de Feiras e Exposições de Estremoz, com todas as restrições necessárias para a segurança de todos, respeitando as regras de orientação da Direção Geral de Saúde, relativas à distância de segurança, higiene e proteção individual.
Tal como no sábado passado, a participação é condicionada à comercialização de bens considerados essenciais no âmbito do estado de emergência e como tal devidamente identificados no Decreto n.° 2-C/2020, de 17 de abril, designadamente: produtos hortícolas e frutícolas, pão, doçaria, queijos, enchidos e outros produtos alimentares, plantas, flores, animais de capoeira, ovos, frutos secos e ervas alimentares, entre outros. 
Com as restrições de circulação proibida entre concelhos, impostas pelo governo, será possível a participação de vendedores e visitantes do concelho de Estremoz, continuando a não ser permitida a permanência no interior do recinto, em simultâneo, a mais de 100 pessoas, devendo as restantes aguardar no exterior a sua vez de entrada, mantendo a distância de segurança das restantes.
Relativamente aos vendedores dos concelhos limítrofes, que não serão impedidos de participar, a sua participação ficará da sua exclusiva responsabilidade, sendo os mesmos responsáveis pela apresentação, junto das autoridades que o solicitem, dos documentos comprovativos da sua atividade comercial. 
Recomenda-se que todas as pessoas que se dirijam ao mercado se protejam de acordo com as orientações em vigor, designadamente através da utilização de máscara e luvas de proteção, higienização das mãos, cumprimento da etiqueta respiratória e das distâncias de segurança.
Apela-se igualmente ao bom senso de todos para que apenas se desloquem ao mercado se efetivamente necessitarem de adquirir bens essenciais ali comercializados e que de outra forma a eles não possam ter acesso. 
Com todos estes cuidados será possível retomar, gradualmente, o Mercado Tradicional, com a segurança que a atual situação epidemiológica impõe.