Palácio dos Marqueses de Praia e Monforte

Palácio mandado construir por Luis Coutinho de Albergaria Freire e Mendonça (Fidalgo da Casa Real, Mestre de Campo do Terço da Infantaria Auxiliar da Comarca de Estremoz, nela Loco-Tenente da Alcaidaria-Mór. Superintendente da Coudelaria de Estremoz.), construído no primeiro quartel do séc. XVIII.

O espaço atualmente ocupado pelo Palácio tinha diferentes proprietários e usos, os quais o eretor teve de unir num conjunto de ações hábeis. Assim, a 19 de dezembro de 1785 a Câmara Municipal, por iniciativa de Luis Freire e Mendonça, troca com este um imóvel, que era propriedade municipal, onde fazia a reunião de Vereação.

A construção do Palácio atual datará de finais do séc. XVIII, certamente por Luis C. A. Freire e Mendonça (faleceu em Estremoz em 1808), filho de D. Diogo Galvão Pegado Coutinho Freire de Andrade Soares de Albergaria Galhardo Barreto da Ponte Cabral Ferreira da Câmara Velho e Mendonça, do qual é a origem do Brazão do Palácio. Provavelmente terá deixado o Palácio ao sobrinho Luis Coutinho de Albergaria Freire, 1º Visconde de Monforte. O imóvel ficou em posse da família até à sua aquisição pela Câmara Municipal de Estremoz, em 2010.

Entretanto este exemplar notável de arquitetura civil de finais do Barroco, foi recuperado pelo município em 2013 e adaptado a espaço de exposições temporárias.

O edifício possui dois pisos. No piso térreo, possui um pátio, utilizado para concertos ao ar livre, e várias salas de exposição, que estão a ser adaptadas para instalação do acervo do Museu Rural da Casa do Povo de Santa Maria. Possui ainda instalações sanitárias e um elevador para acesso a pessoas com dificuldade de locomoção.

 

Uma ampla e bonita escadaria acede ao segundo piso, inteiramente dedicado a exposições temporárias. Possui uma receção, com pequena loja, onde poderá ser adquirida bibliografia e artesanato locais. Está bem equipado com mobiliário próprio para receber mostras de artes plásticas, para o qual o imóvel demonstra especial aptidão. Excelente exposição solar e fenestramento próprio para proporcionar uma adequada fruição das obras expostas. Pontualmente, acontecem no Salão Nobre palestras e concertos musicais. O segundo piso possui ainda um espaço para realização de degustações gastronómicas, junta a uma varanda com excecional vista sobre a cidade.

 

Função: Espaço de Exposição Temporária no segundo piso. Exposição Permanente das coleções do Museu Rural no primeiro piso (abertura durante o 1º semestre de 2017)  

Horário: Todos os dias / 9h-12:30h e 14h-17:30h; Encerra aos Feriados.

Ingressos: Entrada livre