Ir para o conteúdo

Anta 1 da Herdade das Casas do Canal / Casas do Canal 1

Do grego Mega (Grande) e Lithos (Pedra), o Megalitismo é a primeira grande manifestação de um espaço funerário demarcado. Um fenómeno que abrange várias tipologias (antas, cistas, tholoi de alvenaria, aproveitamento de grutas naturais), surge no contexto da transição do Neolítico Antigo para o Neolítico Médio (meados do 5º milénio a. C.) na Europa.

Só inserido no denominado processo de Neolitização é que o Megalitismo ganha sentido, na passagem das sociedades de economia recolectora e nómada para uma economia produtora e sedentária.

Na Península Ibérica, a cultura megalítica afirmou-se de forma clara e efectiva, a julgar pela quantidade e qualidade de monumentos, sendo o Norte e o Centro Alentejano a zona de maior concentração.

Em Estremoz as antas mais antigas pertencem ao período do Neolítico Médio/Final, com sepulcros já com corredor e de monumentalidade acentuada. 

Localização: Canal / Freguesia da Glória

Coordenadas GPS : N 38º 46.296' W 7º 36.377'

Como chegar: Este monumento situa-se junto à Estrada Nacional n.º 381, do lado esquerdo, no sentido Estremoz-Redondo, no declive da colina encimada pelo Monte das Casas, próximo da margem sul da ribeira do Canal.

Data da Escavação: 1 de Outubro de 1953

Arqueólogo Responsável: Georg Leisner e Vera Leisner

Tipo de monumento: Anta de corredor

A anta 1 da Herdade das Casas do Canal tem cerca de 4,4 m de comprimento, e a sua câmara conserva ainda 7 esteios, dos quais falta o de cabeceira. O esteio de cobertura encontra-se inclinado no interior da câmara e apresenta na sua superfície covinhas. Entre a câmara e o corredor é visível um pequeno esteio de fecho. O corredor possui ainda dois dos seus esteios in situ. Existe ainda um esteio do lado norte deslocado do seu lugar de origem e o quarto estará em falta. É visível ainda uma grande laje dentro do corredor, possivelmente pertencente a uma parte da sua cobertura. Devido ao declive bastante abrupto do terreno, há poucos vestígios da mamoa.

Espólio: Foram encontrados no interior da câmara, fragmentos de objetos em xisto, sílex e cerâmica (destaque para vaso campaniforme). Depositários: Museu do Palácio Ducal de Vila Viçosa.


Acesso: Fácil acesso. Encontra-se limpa.