Ordenação heráldica

Brasão

De vermelho. com tremoceiro verde frutado de ouro, ladeado de dois tanques quadrangulares de prata, tudo assente sobre um rochedo plantado de pequenos tremoceiros de sua cor, cada tanque encimado por um castelo de outro de três torres e, em chefe, o escudo de Portugal-Borgonha (D. Afonso IV) entre uma lua de prata e um sol e duas estrelas de oito raios também de ouro. Coroa mual de prata de cinco torres. Listel branco, com letras a negro "Estremoz".

 

Bandeira

De verde, com as armas no centro e por baixo listel branco com a palavra "Estremoz" em letras negras. Cordões e borlas de vermelho e verde. Haste e lança de ouro.

 

Selo

Circular, tendo ao centro as armas, sem indicação dos esmaltes. à volta, dentro de círculos concêntricos, os dizeres "Câmara Municipal de Estremoz".

 

Ordenação heráldica aprovada pela Câmara Municipal em 21 de outubro de 1986 e pela Assembleia Municipal em 31 de outubro de 1986, tendo sido publicada na 3.ª Série do Diário da República, n.º 89, de 16/04/1987.

 

Significado dos Símbolos Heráldicos

As atuais peças heráldicas de Estremoz são constituídas pelas peças heráldicas constantes da bandeira de 1341, mas com várias alterações.

O campo do escudo é, não azul como nos séculos XVII e XVIII foi descrito e no século XX defendido, mas sim "de vermelho", numa alegada consideração de maior nobreza do passado da localidade.

A peça principal é o tremoceiro, de verde, a sua cor, frutado de ouro e sainte de um rochedo semeado de pequenos tremoceiros. Heraldicamente, de acordo com Afonso Dornelas, alude "não só a origem do nome, como da terra", pois desde 1211 o topónimo "Stormoce" foi aquele com que o povo designou a vila e a região de Estremoz no século XIII.

Os tanques, de prata, simbolizam a abundância local de água.

Os castelos heráldicos "de três torres" refletem a condição de praça de armas de Estremoz e que foi dotada de uma primeira cintura de muralhas pelo rei D. Afonso III. São de ouro, para reforçar a sua nobreza.

Uma vez que Estremoz se manteve sempre da Coroa, em chefe está o escudo com as armas reais, usadas por D. Afonso IV.

A presença do sol, da lua e das estrelas tem significado especial nas armarias portuguesa e espanhola. Segundo Afonso Dornelas significam as vitórias alcançadas pelos cristãos sobre os mouros, representando-se por estrelas e crescentes de lua quando essas vitórias foram alcançadas de noite, representando-se pelo sol quando de dia. Já segundo André Tavares, as estrelas significam verdade, luz, claridade e haverem dado paz e ajuda à pátria, representando as luas as vitórias alcançadas contra os mouros.

A coroa mural é de prata e apresenta cinco torres por Estremoz ser atualmente uma cidade (desde 31/08/1926). O listel inferior apenas diz "Estremoz", pela mesma razão.

(Adaptado de Mário Costa)*

 

Medalha de Honra da Cidade

No último quartel do século XX a Câmara Municipal de Estremoz decidiu criar a Medalha de Honra da cidade, com o objetivo de agraciar as pessoas e/ou instituições que, em seu entender, sejam dignas dessa distinção, nos domínios político, militar, religioso, cultural, social e económico.

A medalha de honra da cidade de Estremoz é da autoria do escultor Soares Branco e apresenta, no anverso, o brasão de Estremoz. No reverso, possui uma vista da cidade, tendo em primeiro plano a estátua de Saturno, a meio do Lago dito do Gadanha e, em plenaos recuados, um trecho urbano que atinge nos últimos planos a muralha ducentista e algum casaria interior, tudo sobrepujado pela legenda "MEDALHA DE HONRA", na parte superior da orla.

Esta medalha é de bronze dourado a ouro, circular, e com um diâmetro de 35 milímetros.

(Adaptado de Mário Costa)*

 

*COSTA, Mário Alberto Nunes – As Armas Autárquicas de Estremoz na Lenda e na História, Lisboa, edição do autor, 2005, pp. 33-35.