Início do ano Hidrológico - Recomendações

 

O mês de Outubro é normalmente a altura do ano em que as reservas hídricas atingem o seu mínimo e em que o período mais chuvoso se inicia, representando dessa forma o início de um novo ano hidrológico.

 

EFEITOS POSSÍVEIS

1 - Inundações em zonas urbanas, causadas por acumulação de águas pluviais;

2 - Cheias motivadas pelo transbordo do leito de alguns rios e ribeiras;

3 - Instabilidade de taludes ou movimentos de massa motivados pela infiltração de águas;

4 - Contaminação de fontes de água potável por inertes.

 

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E PRECAUÇÃO A ADOPTAR PELA POPULAÇÃO

O Serviço Municipal de Proteção Civil, recomenda à população a tomada das necessárias medidas de precaução e especial atenção: 

- Inundações em zonas urbanas, causadas por acumulação de águas pluviais.

No início do Outono, as quantidades de lixo depositado nas embocaduras dos sistemas de águas pluviais, a obstrução originada pela queda de folhas de árvores e os detritos vegetais juntamente com outros materiais inertes que durante a estação seca se depositaram ao longo das valetas das vias de comunicação, contribuem para situações de obstrução dos canais de escoamento.

As primeiras chuvas de Outono são geralmente responsáveis pelo arrastamento e concentrações destes resíduos sólidos em locais inadequados (sarjetas, sumidouros, valetas) originando acumulações de águas pluviais que poderão provocar cortes de vias de comunicação ou mesmo inundações nos pisos mais baixos de edifícios. 

Desta forma, recomenda-se a limpeza e desobstrução de sumidouros, valetas e outros canais de drenagem, removendo folhas caídas das árvores, areias e pedras que ali se depositaram previamente à época das chuvas. A verificação da funcionalidade dos sistemas de drenagem urbana é, por isso, essencial.

Paralelamente, cada cidadão deve também tomar uma atitude pró-activa, nomeadamente assegurando a desobstrução dos sistemas de escoamento de águas pluviais dos quintais, ou varandas e a limpeza de bueiros, algerozes e caleiras dos telhados de habitações.

 

- Cheias motivadas pelo transbordo do leito de alguns rios e ribeiras

O arrastamento e deposição de materiais sólidos pelos cursos de água, pode contribuir significativamente para o acréscimo dos efeitos das cheias. Outros condicionantes, como a falta de obstáculos à progressão da água nas bacias drenantes e a incapacidade de retenção da precipitação no coberto vegetal, assim como a diminuição da capacidade de vazão das linhas de água e da capacidade de armazenamento nas albufeiras devido ao arrastamento de sólidos (por erosão) desde as bacias drenantes até à linha de água, são fatores associados às inundações por cheias.

 

Neste contexto, recomenda-se a adoção, entre outras, das seguintes medidas de precaução:

- Desobstrução de linhas de água principalmente junto a pontes, aquedutos e outros estrangulamentos do escoamento;

- Limpeza de linhas de água assoreadas;

- Limpeza dos resíduos sólidos urbanos (muitos deles de grandes dimensões) depositados nos troços marginais dos cursos de água;

- Identificação de novos “pontos críticos” (aglomerados populacionais, edificações, vias de comunicação, pontes/pontões, etc.).

 

No campo das medidas estruturais

Recomenda-se que as Juntas de Freguesia garantam uma vigilância mais apertada no que concerne às consequências possíveis do novo Ano Hidrológico. Em conclusão, o Gabinete Municipal de Proteção Civil apela à atenção de todos os responsáveis para a observância das situações acima descritas, adotando e divulgando as medidas preventivas divulgadas, com vista à mitigação dos riscos descritos e por forma a salvaguardar a proteção dos cidadãos e dos seus bens.